sexta-feira, 24 de junho de 2011

MITOS SOBRE O CORPO E A SAÚDE. V



- Uma pessoa às portas da morte evoca, em sucessão, todos os momentos de sua vida.

Os romancistas e poetas são os responsáveis pela divulgação da crença de que a vida passada
acorre inteira ao pensamento, nos instantes que precedem a morte. Na verdade, ninguem ainda
voltou do além para confirmar essa crença largamente difundida. Há muitos casos de pessoas
salvas de uma morte iminente que refutam essa tese. Eu, inclusive.

- O ingles A.R.Bayley, salvo da morte por afogamento,  declarou e escreveu em 1916:
"Lembro-me que julguei ter chegado ao fim mas não me lembrei de nenhum acontecimento
da minha vida passada. "

- Um piloto abatido em 1918 declarou ao sair dos destroços de seu avião:
"Só pensei na minha namorada que está na Inglaterra! "

- Eu, ao me ver planando em um avião da empreiteira de que era sócio gerente (um Piper PA 90
- Twin Comanche ), depois de sofrer uma "pane seca", por absoluta irresponsabilidade do meu
piloto ( que, segundo soube, tendo cassada a licença para pilotar, por causa desse acidente, foi
voar clandestinamente nos garimpos do Pará e lá morreu e matou seus passageiros, ao tentar
decolar de uma pista curta com peso acima do especificado, não conseguindo e indo bater nas
árvores na cabeceira da pista), não pensei em absolutamnete nada da vida pregressa. É que o
instinto de conservação supera todas as outras lembranças e a pessoa só pensa em uma
possibilidade de sobreviver. Durante a queda, diante  do "silêncio ensurdecedor" vindo dos
motores parados, apenas me vi incentivando o piloto a manter a estabilidade do avião, para que
ele não "estolasse" e a procurar algum lugar para aterrisar da maneira menos traumática possível.
Isso se deu na estrada que liga Amargosa à BR 116, nas proximidades da cidade de Milagres,
no estado da Bahia. Esse foi um dos sete acidentes graves que já sofri e, em nenhum deles, me
lembro de ter relembrado algo do meu passado.

Continua na postagem seguinte......

A todos os amigos e visitantes desejo um ótimo final de semana e que aproveitem bastante
as folgas do feriadão.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 17 de junho de 2011

MITOS SOBRE O CORPO E A SAÚDE. IV




- O arranhão de um prego enferrujado pode causar tétano.
O tétano é uma grave enfermidade infecciosa causada pela toxina produzida por uma
bactéria chamada Clostridium tetani. Não é verdade que um prego enferrujado causa
tétano uma vez que, nem o metal e nem a ferrugem são venenosos. Somente se verificará
o contágio, se, entre a sujeira encontrada no prego trouxer a presença de algum organismo
produtor dessa doença. Qualquer objeto pode trazer a bactéria. Por exemplo os instrumentos
de jardinagem podem conter a toxina trazida do solo.

- Um afogado vem 3 vezes à superfície.
Afirma-se que um homem  emerge 3 vezes antes de morrer afogado. Não, necessariamente,
se verifica esse fenômeno. Com o risco de se afogar, a pessoa é presa do pânico e, cada vez
que submerge, aspira água para os pulmões. Esse fenômeno tem uma variação muito grande
de repetições - e as vezes nem sequer ocorre - antes da pessoa morrer asfixiada.

Continua na próxima postagem............ 

Bom final de semana, abraço do amigo,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 10 de junho de 2011

MITOS SOBRE O CORPO E A SAÚDE. III



Cabelos e unhas continuam a crescer após a morte.
Esse mito nasceu de uma declaração no mínimo exagerada de um cidadão ingles chamado
Charles Augustus Howell. Em 1869 ele foi testemunha da exumação do corpo da mulher
do pintor Dante Gabriel Rossetti, morta em 1862. Declarou que tinha ficado impressionado
com a luxuriante cabeleira da morta, que praticamente enchia o caixão, exibindo a cor
vermelho-dourada. Se essa descrição corresponde a verdade, seus cabelos já eram assim
quando ela morreu. De fato, o cabelo de um cadáver não cresce. O que se pode atribuir
ao falso "crescimento" é uma leve contração da pele que, ao desidratar, pode revelar 1 a
2 mm do pelo embutido na epiderme quando em vida. Nunca, entretanto, o suficiente para
encher um caixão. As unhas e os cabelos crescem a partir da raiz, pela multiplicação das
células que são alimentadas pela corrente sanguinea. Cessando a circulação com a ocorrência
da morte, o fornecimento de nutrientes é interrompido e as células perdem as condições e o
poder de se multiplicar.


Continua na próxima postagem......

Abraços e um ótimo final de semana.

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe