sexta-feira, 30 de março de 2018

A DOENÇA QUE ALTEROU O CURSO DA HISTÓRIA. - FINAL -


                                                    simpatias como recurso...




Calcula-se que se verificaram 45 surtos da peste no período de 1500 até 1720. Em junho de
1665, aconteceu o mais conhecido de todos. Um dos métodos usados nesse período para
conter a propagação da doença, consistia em queimar gatos, cães, ratos e ratazanas. Tal
providência, porém, foi tomada demasiadamente tardia, pois, por volta de 1666, já haviam
morrido mais de 68 000 londrinos e a Europa receava outra pandemia. Aconteceu, então,
em 2 de setembro desse mesmo ano, um pavoroso incêndio em Pudding Lane, no centro
da zona mais populosa de Londres. Quatro quintos da cidade foram devastados durante os
quatro dias que o incêndio alastrou, sendo eliminadas assim, as condições anti higiênicas que
permitiam a propagação da peste.
Foi em Marselha, sul da França, que aconteceu o último grande surto da doença na Europa, 
em 1720.
Os médicos, de acordo com desenhos e  gravuras da época, usavam roupas espessas, botas
e luvas de couro e máscaras providas de um bico onde se punham ervas aromáticas, pois se
pensava então, que os odores contagiavam as pessoas e transportavam a doença.
 Ignora-se como e porque aconteceu o declínio da incidência da peste, de maneira tão acentuada,
 no século XVIII.
 Havia, contudo, um provérbio popular que talvez lance luz sobre esta dúvida. Dizia-se que onde surgisse a peste, as pessoas deveriam " afastar-se rapidamente e só voltar muito mais tarde ".


Um ótimo final de semana a todos os meus amigos e visitantes.
 Grande abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: