sexta-feira, 28 de agosto de 2015

- PRETEXTO PERFEITO: O incêndio do Parlamento Alemão.



                                                                  - imagem da Internet -



No dia 10 de janeiro de 1934, o holandês de 24 anos, Marius van der Lubbe, foi executado sob a acusação de ter provocado o incêndio que destruiu o Reichstag. Isto era verdade ou foi apenas um pretexto para os nazistas conseguirem tornar Hitler um ditador com plenos poderes?
Às 21 horas do dia 27 de fevereiro de 1933, o estudante de teologia Hans Flotter, ao passar em frente ao edifício do Parlamento, teve sua atenção despertada pelo ruído de vidro quebrado proveniente de uma das janelas do primeiro andar. Ao erguer a cabeça, pode ainda vislumbrar um homem que tinha nas mãos uma tocha. Apressou-se em alertar um sargento da Polícia que se encontrava nas proximidades, que correu imediatamente e disparou sua arma contra aquele vulto  Já, às 21 horas e 40 minutos, ou seja, em apenas 13 minutos, já se contavam em frente ao prédio incendiado nada menos que 600 carros de bombeiros!...
Foi na sala Bismarck que um policial prendeu o holandês, banhado em suor e nu, da cintura pra cima.
- Ajo em protesto! disse Marius van der Lubbe e acrescentou já ter tentado incendiar outros prédios públicos. Hitler que fora eleito Chanceler há apenas 27 dias, aproveitando o efeito político do incêndio, foi declarado o Fuhrer do III Reich.
 Afirma-se que, quando Hermann Goering o informou, Hitler teria declarado :
- É um sinal do céu. Isto é o começo da insurreição comunista! Todos os oficiais e deputados comunistas devem ser executados ainda esta noite. Não pode haver misericórdia!!!
De um dia para o outro, 5000 comunistas tinham sido presos, sendo que, em poucos dias, 4 dirigentes foram executados.
Em março de 1933, os nazistas ainda não tinham obtido a maioria de dois terços necessária para assumir o poder total o que só foi possível com a ausência dos deputados comunistas.
Os peritos em incêndio declararam que aquilo não poderia ter sido obra de apenas um homem. Deveria haver , pelo menos, mais 6 ou 7 cúmplices. Os 4 supostos cúmplices que foram apresentados ao Tribunal, porém, foram absolvidos por absoluta falta de provas. O mundo todo acreditava que foram os próprios nazistas que provocaram o incêndio, com o objetivo de conseguir a transferência para Hitler, de todo o poder político e administrativo. Os comunistas sugeriram num comunicado, que o próprio Goering e um grupo de cúmplices, haviam usado uma passagem secreta para incendiar o Reichstag, retornando depois
pelo mesmo caminho.
Durante o julgamento de Nuremberg, o general Halder, chefe do Estado-Maior Alemão, declarou ter ouvido uma declaração de Goering, que, com jactância disse:
- A única pessoa que sabe o que aconteceu com o Reichstag sou eu!
Goering negou ter feito tal declaração, porém, como era de conhecimento geral, os nazis eram mestres na
mentira. A verdade é que ninguém, até hoje, tem certeza da verdadeira história deste incêndio.



                                                   

Nenhum comentário: