sexta-feira, 31 de julho de 2015

- Ainda mistério - MAMUTES - I -

                                                         Mamute de 20.000 anos
                                                               - foto Internet -


Durante muitos anos a descoberta de um mamute ajoelhado na margem do rio Beresovka,
na Sibéria, encheu de perplexidade o mundo científico. O gigante, em perfeito congelamento
 e excelente estado de conservação, ainda guardava na boca ranúnculos botão-de-ouro
 ( Ranunculus repens ). No início despercebido, este achado iria fornecer uma pista sobre um
terrível acontecimento da história geológica do planeta.
Apresentando afinidades com os elefantes, os mamutes eram animais muito peludos, que viveram
 neste Mundo por meio milhão de anos e foram extintos há cerca de 20 mil anos. No norte da Sibéria
 e do Canadá e  no Alasca, territórios permanentemente congelados, muitos destes antigos animais
 podem ser ainda encontrados em estado de congelamento perpétuo.
Apesar dos milhares de anos decorridos, a sua carne ainda está em condições de ser consumida,
segundo aqueles que a comeram. Corpos de outros animais também foram encontrados nas mesmas circunstâncias e no mesmo estado de congelamento, caídos desordenadamente entre carne retalhada e montes de ossos. De acordo com os cientistas, há uma explicação fácil para a ocorrência da tal
hecatombe: Manadas de mamutes compostas por milhares de animais, vagavam ininterruptamente
pelas  planícies árticas, alimentando-se de vegetais que ainda hoje cobrem estes lugares, durante o
 verão. Não raro, alguns destes animais ficavam presos no gelo ou precipitavam-se em alguma fenda
 oculta, ficando congelados e mantendo-se em perfeito estado de conservação ao longo dos tempos.
A explicação que parecia óbvia, era, porém, totalmente equivocada.
O local onde os esqueletos foram encontrados foi a primeira objeção: não se ajustava à teoria exposta. Vastas áreas do Ártico são cobertas de gelo, mas a maior parte da tundra é composta de areia, lama dos rios e argila, ligados entre si pela água gelada. Os mamutes, porém, não foram descobertos no gelo e sim nas camadas de lodo. Além disso, durante o período em que os corpos foram congelados, não havia glaciares na Sibéria, a não ser no alto das montanhas, local impossível para os mamutes pastarem.
Surgiu, então, uma nova teoria segundo a qual os animais teriam sido arrastados pelas correntes dos
 rios até sua foz, onde teriam atolado e, devido ao seu enorme peso, se enterraram na lama. Mas, e os animais encontrados na tundra onde não havia rios; como explicar? Além disso, eles não podiam ter se afogado pois muitos foram encontrados ainda de pé, congelados na posição em que haviam morrido.
Foram consultados especialistas no comércio de carne congelada. Suas explicações, porém, em vez de esclarecimentos, tornou ainda mais intrigante o mistério...

                                                             - continua -

Nenhum comentário: