sexta-feira, 24 de novembro de 2017

- MIOLO DE PÃO - VIII -


Rio Tucunduba - Belém

" Indiferente, inchado de tanta poluição, o Tucunduba nada respondia, no seu 
longo deslizar pelos cinco bairros da cidade de Belém, desde Jabatiteua, Marco
Canudos, Terra Firme e Guamá. Apesar de sua doença poder ser identificada 
pelo material que é despejado pelas indústrias situadas às margens, alem do lixo 
doméstico e fezes humanas, o Tucunduba é um pequeno igarapé bonito.
Na travessia que faz pelos bairros pobres de Belém, carrega consigo questões 
de toda sorte, para treze-las finalmente ao campus universitário.
Quanto mais fechada ficava a cara da Rita, a mulher do bêbado, falando contra
o Tucunduba, Dagoberto dizia a brincar:
- Não existe lugar melhor, mulher! Não existe igarapé mais sábio no mundo. Ele 
atravessa o campus da universidade e, se um dia ele transbordar, leva o Riacho 
Doce e tudo o mais!
- A professora Vera disse que vai transbordar, Dagoberto. Só uma dragagem 
salva o igarapé. Quem vai se preocupar com seus moradores?
Sem se incomodar com as brigas e com o lazer das crianças pobres, o Tucunduba 
vai rolando ao longo de sua extensão e de uma população de mais de duzentas 
mil pessoas.




Alegre ficava pelo fluxo de água 
trazido pelo rio Guamá e alguma 
vegetação mais resistente. Dádiva 
dos deuses a sustentar o resto de 
oxigênio que ainda existe.
Por isso é que o Tucunduba
ansiosamente, como que abre sua 
boca pra receber o que o rio Guamá 
manda em solidariedade. Infeliz 
do peixe menor que, ao fugir do 
maior, entra através do Guamá
Não resiste. Foi assim que 
aconteceu com aquele imenso peixe 
de pele lisa que entrou no 
Tucunduba, em dia de maré alta. 
A principio assombrou os meninos 
com seus mergulhos e artimanhas. 
Os que tomavam banho no igarapé 
ficaram apreensivos. 





Pensavam que era um monstro que estava aparecendo no Tucunduba
nas noites de lua cheia. Porque era nas noites de lua cheia que o luar tirava 
reflexos de sua barriga branca. Não foi longe o peixe. Morreu no campus 
universitário, à míngua  de tratamento".

Obs: O peixe referido no texto seria um "Filhote", abundante nos rios da 
Amazôniaque tem a pele lisa, a barriga branca e pode pesar até 200 kg.

Continua na próxima postagem...

Bom final de semana a todos.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: