sexta-feira, 25 de março de 2016

JACK, O ESTRIPADOR - conclusão - 5


A teoria mais aceitável sobre a identidade do Estripador foi a apresentada pelo
escritor e homem de rádio Daniel Farson, que baseou suas pesquisas nas notas
deixadas por Sir Melville Macnaghten, que entrou para a Scotland Yard no ano
seguinte à perpetração dos crimes e em 1903 se tornou chefe do Departamento
de Investigação Criminal (C.I.D.). Segundo Macnaghten, a Polícia concentrara
suas atenções em 3 suspeitos: um médico russo, homicida, de nome Michael Ostrog,
um judeu polaco que odiava mulheres, chamado Kosmanski e um advogado
depravado, de nome Montague John Druitt, que foi finalmente considerado culpado.
Farson, após anos de pesquisa sobre a família Druitt, aceitou essa hipótese. Afirma
que a própria família estava persuadida da culpabilidade de Montague e chama a
atenção para o fato de seu primo, Dr.Lionel Druitt, ter uma clínica cirúrgica nas
Whitechapel Minories, a apenas 10 minutos a pé do mais distante dos locais onde
foram praticados os crimes. A mãe de Druitt, acrescenta Farson, era louca, e o
próprio Druitt, poderia ter receado destino semelhante. Druitt nunca foi preso e
desapareceu pouco tempo depois do último assassínio. Seu corpo foi encontrado 7
semanas mais tarde, a flutuar no Tâmisa, no dia 31 de dezembro de 1888. Ter-se-ia
suicidado ou foi ele também uma vítima do assassino? Se Druitt foi de fato o açougueiro
de Whitechapel, apenas um homem conhece a verdade, o próprio Jack , o Estripador.
.
Quem quer que tenha sido, seu terrível e macabro segredo está sepultado
para sempre!
.
Bom final de semana, abraço para todos.
.
Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: