sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

- INDÍCIOS DE INCAS NA AMAZÔNIA PARAENSE - introdução -



Na última viagem que fiz à Amazônia, no mês de março passado, conheci 
um companheiro de viagem a bordo do navio que me levou de volta à Belém, 
procedente de Oriximiná, onde fui visitar alguns amigos. Ao final do primeiro 
dia já havia uma certa empatia no nosso relacionamento fruto das longas 
conversas sobre assuntos diversos, por nós mantidas durante a viagem, até então. 
Possuidor de razoável conhecimento geral, tinha uma fácil conversa sobre os mais 
variados assuntos, até que, em determinado momento, revelou-me que comprara 
de um certo caboclo da região, algumas "caretas de índio", termo usado pelos 
ribeirinhos para designar fragmentos de artesanato, principalmente cerâmicos, 
muito comuns na região, elaborado por silvícolas outrora  radicados no denominado
Baixo Amazonas ". Claro que mostrei-me vivamente interessado. Em resposta à 
pergunta que lhe fiz - se poderia ver tais fragmentos - ele prontamente buscou em 
uma sacola que se encontrava debaixo da rede onde dormia, um pacote 
cuidadosamente protegido por pedaços de isopor. Fiquei realmente deslumbrado 
ao ver tais objetos. Tratava-se de partes de vasos e outros objetos artesanais que 
me trouxeram ao pensamento, instantaneamente, a arte INCA há muito vista e 
estudada nos livros de história. Mas ,como seria possível?! Os INCAS estavam 
radicados lá na Cordilheira dos Andes, a cerca de 3000 km do local onde o meu 
amigo comprara as peças. Seu vasto império se espalhava desde o sul da 
Colômbia até  a parte central do Chile, porém, sempre às proximidades da 
cordilheira. Para não despertar a curiosidade do companheiro de viagem, detentor 
das relíquias, mantive-me mais ou menos calmo, sem demonstrar nenhuma 
ansiedade, até que consegui a permissão para fotografar algumas daquelas 
peças... No dia seguinte, logo após o café da manhã, procurei novamente me 
aproximar do dono das peças. Meu objetivo era saber a exata localização do 
sítio arqueológico. Nada consegui, pois me foi dada a explicação que tudo aquilo 
era sigiloso e o tal caboclo que vendera o achado, se negara terminantemente a 
revelar o lugar de origem: alguém o havia advertido que, se uma entidade ligada 
ao assunto - tipo o Museu Emílio Goeldi, de Belém - soubesse da exata localização 
do sítio e esse lugar fosse próximo a sua casa, ele seria deslocado imediatamente 
para outro local. Disse apenas que não foi preciso nenhuma escavação porque 
o rio, ao provocar o fenômeno denominado de " terras caídas ", acabara por 
revelar aquelas peças e ele só teve o trabalho de coletá-las. É possível que o rio 
já tivesse levado boa parte dos objetos pois ele, apenas por acaso, passara de 
canoa pelo local e vira alguns objetos na margem, a uma profundidade que variava 
de cerca de 80 cm a 8 m. abaixo da superfície do solo. Durante o resto da viagem, 
comecei a elaborar mentalmente uma teoria que poderia explicar a possível presença 
de membros do Império Inca em local tão distante dos Andes. Tal teoria será assunto
 para a próxima postagem.

Continua na próxima sexta-feira....

Bom final de semana a todos os amigos e visitantes.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: