sexta-feira, 19 de julho de 2013

- PETRÓLEO, A DESCOBERTA DA FORTUNA - final -


Edwin Drake

Inevitavelmente surgiram as fases seguintes na cadeia de produção. 
Experiências exitosas foram feitas por alguns fabricantes usando produtos 
originários de pântanos de infiltrações, com o objetivo de ultrapassarem uma 
das fases de produção de Young. Assim, foram criadas as condições para 
Edwin Drake iniciar as perfurações destinadas a produzir petróleo natural.
Drake foi um homem afortunado, pois o aparecimento do petróleo, onde quer 
que ele se encontre, depende apenas de uma série de acidentes geológicos 
arbitrários. Ele é resultante, segundo se crê, dos restos decompostos de 
incontáveis bilhões de plantas e pequenos animais aquáticos que, ao longo 
das eras, foram esmagados pelo peso das rochas até se transformarem em 
petróleo. As grandes reservas de petróleo são encontradas apenas em latitudes 
tropicais. A deriva continental é responsável pelos depósitos do Alaska, sob o  
Mar do Norte, e de outros locais afastados dos trópicos, levando-os até onde 
atualmente se encontram. O petróleo só se concentra no interior da terra 
quando sobre ele existe uma perfeita vedação de rocha que o impede de 
irromper até à superfície, permitindo assim, a formação dos reservatórios 
que os prospectores procuram. Porém, mesmo os instrumentos mais 
sofisticados hoje disponíveis, não garantem a existência de petróleo no local 
da sondagem. Houve uma época em que eram necessários vários dias para 
se conter o enorme jato de petróleo expelido do poço recém perfurado pelo 
gás natural comprimido. Em 1901, por exemplo, um jato de petróleo no estado 
americano do Texas, fez desperdiçar incríveis 135 milhões de litros do 
produto, sendo verificado posteriormente que esta quantidade equivalia à 
metade da reserva ali descoberta. As modernas técnicas de exploração já 
eliminaram por completo esse risco. Porém, por mais que se evite o menor 
desperdício de petróleo, temos consciência de que a quantidade dessa 
riqueza é limitada. Foram necessários milhões de anos para se criarem os 
depósitos de petróleo, porém, decorridos pouco mais de 150 anos da 
descoberta de Edwin Drake, estima-se que já foi gasto mais de um terço 
dos recursos petrolíferos conhecidos no mundo. Não é provável que a oferta 
satisfaça a procura por mais 150 anos, por maiores que sejam as reservas 
extraídas do fundo do mar.

Bom final de semana a todos e obrigado pelas visitas.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: