sexta-feira, 21 de outubro de 2016

22 - ACIDENTE DE MOTO - parte I -

.

..Tudo isto me levou a considerar a real possibilidade de vir a morrer a qualquer
momento, principalmente ao me lembrar das palavras do médico, quando da reunião
com a família. Na esperança de  desaparecerem ou melhorarem os sintomas muito
desagradáveis com a mudança de ares, tomei a decisão de me transferir, juntamente
com toda a família, para Belém, onde, além da mulher e filhos, teria o apoio de todos
os parentes que lá se encontravam. Minha saudosa mãe, meus irmãos e irmãs, meus
tios e primos, enfim, de toda a numerosa e unida clã dos Aragão e dos Vinagre, além
de amigos de infância com os quais jamais deixei de me comunicar. Tudo isso saiu
conforme imaginei. Só não mudaram os problemas com o marcapasso: o mal estar
continuou. Minha insegurança quanto ao acerto da transferência, ficou retratada no
fato de não me desfazer de todos os bens que tínhamos aqui na Bahia e de não ter
iniciado, em Belém, nenhum negócio definitivo, limitando-me apenas a adquirir um
barco de pesca de 15 ton. (cuja foto ilustra a presente postagem, batizado com o nome
de minha então mulher, Walkyria, em homenagem e agradecimento por ela, apesar de
possuir aqui em Salvador e em Nazaré das Farinhas, sua mãe, irmãos, tios, primos, enfim,
toda sua família, ter me acompanhado sem nenhum gesto de protesto ou relutância).
Esta aquisição foi feita apenas com o objetivo de me manter minimamente ocupado,
administrando uma atividade que sempre me proporcionou prazer: a pescaria! Alias, é
bom que se diga que tal atividade é, para mim, a terceira melhor coisa da vida... Prometo
que na próxima postagem (como sempre às sextas-feiras), começarei a narrar o "acidente
de moto"... Este preâmbulo, entretanto, é importante para o entendimento do contexto 
daquilo que viria a acontecer...

Continua na próxima postagem.

A todos, desejo um final de semana muito feliz!
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: