sexta-feira, 23 de setembro de 2016

17 - O CORAÇÃO E O MARCAPASSO - Introdução -



Sempre gostei dos esportes em geral. Me sai muito bem em todos os que pratiquei,
principalmente no futebol e no espiribol (este último, pouquíssimo conhecido, consiste
em enrolar a corda com a qual se pendura uma bola de couro - do tipo daquelas que são
usadas, principalmente, pelos boxeadores em seus treinamentos - no topo de um mastro
de cerca de 3,5 m de altura, dividindo-se os campos em dois ou em quatro, a depender
do número de jogadores, por linhas traçadas no chão). Há necessidade de um preparo
físico excepcional dos praticantes desse esporte. As regras são rígidas e o juiz deve
conhecê-las muito bem, para poder arbitrar a disputa. (Se algum dos meus caros leitores
se interessar pelas regras, mande-me seu e-mail que as enviarei com muito gosto).


No espiribol, eu era imbatível no Colégio do Carmo e no futebol, cheguei a treinar
nos juvenis e aspirantes do meu querido Papão - o Paysandu - não prosseguindo na
carreira por proibição expressa e definitiva de meus pais (principalmente do meu querido
e saudoso pai), pois, naquele tempo, jogador de futebol era " vagabundo ", assim como
todo artista - principalmente do sexo feminino - era considerada prostituta ou em vias de
se-lo (como mudam os conceitos!..). Referindo-me, ainda, aos meus dotes como futebolista,
vale  acrescentar que fui eleito PELOS COLEGAS, o melhor jogador de futebol do Carmo,
considerando todos os alunos, internos e externos. Por tal eleição, me foi outorgada
solenimente, uma medalha comemorativa, que, de tão bonita que era, levei-a, nas férias
de fim de ano, para Oriximiná e, em um gesto de orgulho juvenil, coloquei-a no peito
quando fui - como era de costume - jogar a " pelada " de todas as tardes, no campinho
seletivo (não era quelquer um que entrava !!!), da casa do Helvécio Guerreiro. A gozação -
como era de se esperar - foi geral!!!... Aficionados, principalmente o Helvecinho o
Lúcio e, eventualmente, o Edilberto, anfitriões, as disputas, levadas a sério, se tornavam
emocionantes!... Meu querido amigo Sérgio ( hoje morando tambem em Salvador, onde é
 professor aposentado da Universidade Federal ), não era muito chegado ao esporte, limitando-se,
 na maioria das vezes, a assistir os embates...

Continua na próxima postagem.......

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: