sexta-feira, 2 de setembro de 2016

14 - DESASTRE AEREO - continuação - VII



Há de se destacar que, ao retornar ao local do desastre, verifiquei que tivemos muita sorte em
bater com a asa esquerda na cerca da fazenda  É que esta batida não apenas provocou o "cavalo
de pau", mas, e principalmente, anulou a velocidade de inércia do avião, evitando com isto o
choque com as laterais de um pontilhão existente naquele local da rodovia, o que certamente
provocaria a sua explosão. Depois de conversar com os policiais que, por não haver vitimas,
limitaram-se a isolar a área em torno da aeronave, preservando tudo intacto para aguardar os
peritos da Aeronáutica, comuniquei a eles e aos pilotos que iria para Salvador no mesmo taxi
que me trouxera de Amargosa. Os peritos da Aeronáutica já haviam sido alertados pelas
autoridades locais. A torre de controle do aeroporto de Salvador, por sua vez, havia comunicado
ao DAC ( Departamento de Aviação Civil ), que o CZN não havia cumprido o plano de vôo
reportado quando da decolagem do aeroporto de Bom Jesus da Lapa e nem respondia aos
insistentes chamados dos controladores que haviam perdido contato. Minha família já havia,
também,sido comunicada do desaparecimento da aeronave. Não havia celular à época e
agonia de meus familiares durou até minha passagem por Feira de Santana, onde,finalmente
parei para ligar para minha mulher que chorou copiosamnete -creio que de alivio- ao telefone.
Tudo o que aconteceu daí pra frente, à excessão da venda do CZN -praticamente como
sucata- para uma firma de Belo Horizonte, me foi informado pelo processo aberto pra apurar
as causas do acidente. Pasmem os senhores leitores: "PANE SECA" foi a conclusão das
investigações!!! Há muitas explicações para dar a voces que lêem este relato resumido. Elas
serão dadas no livro que estou escrevendo e que será publicado, penso eu, no ano de 2013.

Continua na próxima postagem......

Um ótimo final de semana a todos. Grande
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: