sexta-feira, 15 de julho de 2016

7 - TRES ENFERMIDADES GRAVES, AO MESMO TEMPO!!! - final -




Férias de julho do ano de 1956. Antes de irmos para Mosqueiro, passaríamos o primeiro fim
de semana do mes, num sítio que o meu tio Humberto, segundo marido da tia Odaléa, havia
comprado, nas proximidades da cidade interiorana de Santa Izabel. Lá, após o tradicional
futebol de sábado à tarde, jogado e muito disputado por mim e meus primos (Carlos Eduardo,
Carlos Alberto e Carlos Antonio), alem de alguns nativos das redondezas,  resolvemos
" desbravar " um igarapé que corria mansamente, dentro de um trecho da mata nativa, bem alí ao
lado do campo. Que banho!... Água gelada, uma delícia! A vontade era de ficar naquela
maravílha de água, para sempre...  Ao retornarmos à Belém, no domingo à tarde, porem,
comecei a sentir uns estranhos calafrios. Ao chegarmos em casa, meu estado evoluira para pior,
pois, acompanhada do calafrio cada vez mais intenso, estava sendo vítima de uma febre altíssima,
por volta dos 39/40 graus! O médico da família foi chamado e o diagnóstico apontava para uma
malária. Feitos os devidos exames, constatou-se que eu fora acometido, não por uma malária
qualquer, mas pela terrível " terçã maligna ", uma forma muito grave e não poucas vezes leta, da
doença! Tudo indica que fui contaminado por um mosquito, lá naquele banho maravilhoso de
igarapé. Para completar a minha desventura, haviamos comido algum alimento, lá no sítio - a
Selma, minha prima e eu - que nos deixou com infecção intestinal. Logo em seguida fui
contaminado pelo agente infeccioso responsável pela catapora, de tal sorte que acumulei e
superei, as tres doenças ao mesmo tempo, fazendo-me acreditar de vez, naquele adágio popular
segundo o qual " vaso ruim não quebra "! Após me recuperar completamente, uns dez dias depois,
fomos, finalmente, gozar as delícias da " Bucólica "...



A todos os meus amigos e visitantes desejo um feliz fim de semana.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: