sexta-feira, 1 de julho de 2016

5 - A PRIMEIRA GRANDE ENFERMIDADE.


De acôrdo com informações de minha mãe
e de pessoas que até hoje ainda vivem, como
D. Zenaide, já anteriormente citada e D.
Iza, outra vizinha ( hoje com 96 anos de
idade e lúcida! ) que, segundo ela própria,
gostava muito de me carregar no colo, não
fui o que se poderia chamar de " uma criança
doente ". No entanto - e a partir de então
lembro com mais nitidez dos fatos - por volta
de 9 ou 10 anos de idade, fui acometido de
algo que me deixou privado dos movimentos
dos membros inferiores. Lembro-me
nitidamente que, para fazer as provas de fim
de ano no Grupo Escolar Padre José
Nicolino, onde então estudava, tinha que
ser carregado nos ombros, por meu irmão,
 o querido e saudoso Dezizé ou
por um indio muito estimado  na cidade,
chamado Cachinaua ( ou Cachinamá, no
entender da maioria dos habitantes da cidade ). Segundo afirmação convicta
de minha mãe, fui vítima da poliomielite que,
naquele tempo, ainda não poderia ser evitada,
pois a vacina contra essa doença
malígna, somente seria descoberta muitos
anos depois, em 1961, pelo eminente
cientista norte americano Albert Sabin ( 26.08.1906 - 03.03.1993 ).
Minha mãe contou-me e aos meus irmãos, que fiquei curado da terrível enfermidade, graças
a uma promessa que ela fez a Santo Antonio, padroeiro da cidade de Oriximiná, promessa
esta que consistiria em, vestido de frade franciscano, fazer-me acompanhar a procissão que
anualmente o homenageia, caso o Santo " fizesse "  com que eu voltasse a andar...
Lembro-me, perfeitamente, do constrangimento que me acometeu durante esse " pagamento
de promessa ", como bem demonstra minha expressão facial verificada na fotografia que ilustra
a presente narrativa, mandada executar pelo único fotógrafo, cujo nome era Valeriano, que
visitava a cidade apenas anualmente, na época dos festejos em louvor a Santo Antonio.
Milagre ou não, o certo é que voltei a andar e não fiquei com sequela alguma!

Um ótimo final de semana a todos os amios e visitantes.
Obrigado pelas visitas.

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: