sexta-feira, 24 de junho de 2016

4 - " A COBRA CORAL " E " ESCAVANDO UM BURACO NO QUINTAL... "


                                                                Imagem da Internet

De acordo com revelações feitas por minha mãe, sofri alguns pequenos acidentes nos
primeiros anos de vida, sendo que dois deles, foram potencialmente muito perigosos,
podendo deixar-me com, no mínimo, sequelas seríssimas. O primeiro aconteceu quando,
ainda criança de colo, me encontrava tranquilamente sendo amamentado pela mamãe
que, concomitantemente conversava, despreocupada, com sua comadre e vizinha,
D. Zenaide ( minha querida amiga, já  falecida ).
 Enquanto esta cena lúdica podia ser observada, uma pequena cobra coral verdadeira, que houvera se abrigado talvez em uma fralda estendida no varal, começava a se movimentar, tentando certamente livrar-se da incômoda proximidade com seres humanos. Inexplicavelmente a mamãe, sentindo  algo estranho, levantou-se e, ao entregar-me à D.Zenaide, para verificar do que se tratava, provocou a queda da serpente, cujo veneno certamente me mataria se inoculado! A mamãe, ao levantar-se apressada da cadeira de balanço em que estava, deixou-a naquele vai e
vem característico e a cobra, ao tentar fugir, resolveu passar por debaixo da
cadeira, sendo prontamente esmagada pelo móvel, no qual a mamãe rapidamente
voltara a sentar-se!


Noutra ocasião, já com uns 5 anos
de idade ( e, a partir dai, já me
recordo de tudo ), inventei uma
brincadeira que consistia em escavar
o chão na tentativa de fincar um
pedaço de madeira que seria
um dos lados de uma futura trave
de futebol. Sendo eu o mais velho,
" determinei " ao meu irmão Cléber
que pegasse uma enxadeta  -
ou enxadeco, naquela região -
existente ali no quintal e começasse
a escavar. Na minha opinião esta
tarefa seria  mais cansativa e eu
imaginei que sendo o mais velho,
tinha o " direito " de escolher que trabalho fazer...
Enquanto ele escavasse, eu iria retirando a terra do buraco, munido de uma latinha de leite
condensado, encontrada nas redondezas. E  lá vamos nós: ele cavava e eu tirava a terra; ele cavava e
eu tirava a terra...até que, numa dessas " tiradas  de terra ", ele, achando que já era sua vez de cavar,
golpeou a minha cabeça com a lâmina da pequena enxada. Por verdadeiro milagre meu cérebro não
foi afetado mas, até hoje, trago comigo a marca do incidente, em forma de  uma profunda cicatriz,
tanto no couro cabeludo quanto no osso parietal...

Um ótimo final de semana a todos, obrigado pelas visitas.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

Nenhum comentário: