sexta-feira, 24 de junho de 2016

4 - " A COBRA CORAL " E " ESCAVANDO UM BURACO NO QUINTAL... "


                                                                Imagem da Internet

De acordo com revelações feitas por minha mãe, sofri alguns pequenos acidentes nos
primeiros anos de vida, sendo que dois deles, foram potencialmente muito perigosos,
podendo deixar-me com, no mínimo, sequelas seríssimas. O primeiro aconteceu quando,
ainda criança de colo, me encontrava tranquilamente sendo amamentado pela mamãe
que, concomitantemente conversava, despreocupada, com sua comadre e vizinha,
D. Zenaide ( minha querida amiga, já  falecida ).
 Enquanto esta cena lúdica podia ser observada, uma pequena cobra coral verdadeira, que houvera se abrigado talvez em uma fralda estendida no varal, começava a se movimentar, tentando certamente livrar-se da incômoda proximidade com seres humanos. Inexplicavelmente a mamãe, sentindo  algo estranho, levantou-se e, ao entregar-me à D.Zenaide, para verificar do que se tratava, provocou a queda da serpente, cujo veneno certamente me mataria se inoculado! A mamãe, ao levantar-se apressada da cadeira de balanço em que estava, deixou-a naquele vai e
vem característico e a cobra, ao tentar fugir, resolveu passar por debaixo da
cadeira, sendo prontamente esmagada pelo móvel, no qual a mamãe rapidamente
voltara a sentar-se!


Noutra ocasião, já com uns 5 anos
de idade ( e, a partir dai, já me
recordo de tudo ), inventei uma
brincadeira que consistia em escavar
o chão na tentativa de fincar um
pedaço de madeira que seria
um dos lados de uma futura trave
de futebol. Sendo eu o mais velho,
" determinei " ao meu irmão Cléber
que pegasse uma enxadeta  -
ou enxadeco, naquela região -
existente ali no quintal e começasse
a escavar. Na minha opinião esta
tarefa seria  mais cansativa e eu
imaginei que sendo o mais velho,
tinha o " direito " de escolher que trabalho fazer...
Enquanto ele escavasse, eu iria retirando a terra do buraco, munido de uma latinha de leite
condensado, encontrada nas redondezas. E  lá vamos nós: ele cavava e eu tirava a terra; ele cavava e
eu tirava a terra...até que, numa dessas " tiradas  de terra ", ele, achando que já era sua vez de cavar,
golpeou a minha cabeça com a lâmina da pequena enxada. Por verdadeiro milagre meu cérebro não
foi afetado mas, até hoje, trago comigo a marca do incidente, em forma de  uma profunda cicatriz,
tanto no couro cabeludo quanto no osso parietal...

Um ótimo final de semana a todos, obrigado pelas visitas.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 17 de junho de 2016

3 - A QUEDA DA PONTE - continuação -




Aqui, cabe um outro esclarecimento: as águas do Rio Amazonas são condutoras, como dito
anteriormente, de uma grande quantidade de matéria em suspensão - principalmente barro -
o que torna totalmente nula a visibilidade para quem nelas mergulha. Não obstante essas
condições mais improváveis, meu pai, aflito e apressado, sem saber sequer para que lado da ponte
eu havia caido, se jogou, guiado apenas pelo instinto e pelo amor paterno e me encontrou já
no primeiro mergulho! É que a correnteza do rio, a princípio potencialmente fatal,  foi quem
me salvou, mantendo-me preso sob sua pressão, de encontro aos caules das canaranas, uma
espécie de vegetação que florescia abundantemente às margens dos rios amazônicos. Com
apenas 8 meses de vida, fui resgatado por meu pai das águas barrentas e incrivelmente velozes
do Cachoeiri, desfalecido e aparentemente morto... No desespero que se seguiu ao meu resgate,
fui sacudido violenta  e sucessivamente por meu pai e minha mãe, até que, após alguns minutos,
voltei a respirar, para alívio e felicidade dos dois e principalmente para minha felicidade. Nunca
mais descuidaram de mim e "dona " Dira foi advertida para não me perder de vista jamais...
Graças a esse resgate , pude prosseguir entre os vivos e, bem mais tarde, dar à vida minha própria filha que, por sua vez, me deu netos maravilhosos. Na minha opinião, foi este o acidente mais
terrível e potencialmente letal que sofri, embora entre os posteriores conste até uma queda de avião!
O relato deste último e dos outros acidentes, será feito na ocasião propícia, obedecida à ordem
cronológica dos eventos.
Obs: As fotos que ilustram este artigo e o anterior, foram obtidas de uma ponte que mandei
construir, há muito tempo, às margens da lagoa, na chácara onde moro, em Guarajuba - Ba.
Note-se que, por ser uma lagoa, a água é tranquila e parada, muito diferente da violência do
Cachoeiri. A vegetação, por outro lado, é composta de junco e aguapés, diferentes das
canaranas encontradas nas margens do rio focalizado no artigo.

Um ótimo final de semana, grande abraço a todos os amigos e visitantes.

Clóvis de Guarajuba
OMG Ande & Limpe

sexta-feira, 10 de junho de 2016

2 - A QUEDA DA PONTE. ( primeiro acidente )




Tradicionalmente, era à tarde que se tomava banho, e no rio, naquela época ( início da década de 1940 ). Tanto para facilitar o banho quanto para servir de ancoradouro, sempre eram e são construidas, ainda hoje, pontes de madeira às margens dos rios amazônicos, geralmente bem em frente à casa principal das fazendas. Diga-se, a título de ilustração aos que não estão familiarizados com essa região do nosso País, que ali, as estradas são os rios e as embarcações, a depender de seu porte e utilização, fazem o mesmo trabalho que os ônibus, caminhões, automóveis, etc., fazem  nas
cidades.
 Voltemos agora ao banho. Naquele dia, " seu " Alfredo e " dona " Dira, sua mulher
- ele o vaqueiro da fazenda e ela minha babá - precisaram sair pela manhã em sua " montaria "
( canoa pequena ), para irem à uma outra propriedade rio acima, onde morava um seu
parente, chamado Manoel Gualberto, para resolver não sei qual problema ( minha mãe ao
relatar estes fatos, bem como " dona " Iza, nossa vizinha, ao corroborá-los, não informaram o
 motivo da tal viagem ). Assim, sem ninguém para tomar conta de mim, resolveram levar-me 
para a beira do rio na hora do banho. Minha mãe, então com apenas 15 anos ( casava-se muito
cedo naquele tempo, principalmente as mulheres ), naturalmente sem nenhuma experiência com
crianças, já que eu era o seu primeiro filho, deve ter tido um momento de descuido e, quando
se voltou para o local onde me havia deixado sobre a ponte, descobriu, horrorizada, que lá já
não me encontrava! Gritou, desesperada e meu pai se jogou da ponte à minha procura, sem
sequer saber pra que lado dela eu havia caido...

Continua na próxima postagem.......      

Um ótimo final de semana a todos e muito obrigado pelas visitas.

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 3 de junho de 2016

1 - ALGUNS FENÔMENOS AMAZÔNICOS.




Há algumas explicações que devem ser dadas, principalmente àqueles que não têm a
felicidade de conhecer a região amazônica:
Quando nasci, em 18.10.1941, meus pais, então recem casados ( sou o primogênito do 2o
casamento do meu pai ), possuiam, além do rendoso negócio com castanha do Pará, uma fazenda
à margem direita do rio Cachoeiri. Este riozinho é uma das duas únicas ligações entre a calha
principal do Rio Amazonas e o seu afluente, pela margem esquerda, o Rio Trombetas.
Agora convoco-os a fazer um exercício de raciocínio: imaginem o que significa, em volume de
água, a invasão do maior rio do mundo, a um riozinho que, àquela época, tinha pouco mais de
100 metros de largura! A correnteza é brutal! As margens e o leito do Cachoeiri são
arrancados pelas águas violentas do Amazonas, tornando-o, a cada dia, mais profundo e mais
largo. A previsão é de que, dentro de poucos anos, o Cachoeiri estará ligado a um lago que
existe na parte posterior da fazenda. É preciso dizer, a esta altura, que o Rio Amazonas é
geológicamente novo pois, não tendo ainda definido seus limites marginais, continua a escavar seu próprio leito e a erodir suas pseudo margens, transformando-os em sedimentos que são carregados
para formar novas ilhas e bancos de areia, alhures. Por conta deste fenômeno é que,
independente das qualificações ou dos cursos, títulos e/ou experiência que detenham os
comandantes de navios vindos de todo o mundo, ao chegarem na foz do Amazonas, nas
proximidades da cidade de SalinópolisSalinas para os íntimos ), o comando desses
" monstros ", capazes de carregar  até 80 000 toneladas de carga, é assumido por um
profissional denominado ( erroneamente, a meu ver ) de "Prático". Esta providência é tomada
justamente porque o leito do rio é diuturnamente modificado: ora desaparecem ilhas e bancos
de areia já consolidados; ora surgem, onde antes nada havia, novas ilhas, cuja deteção só
pode ser percebida por quem conhece as " manhas "do rio, evitando, mercê desse conhecimento,
o encalhe muitas vezes irremediável das embarcações. Conheço razoavelmente essa função
de comando, porque tive dois tios - tio Tito e tio Paulo Aragão - e dois primos -
Alberto e Leonel Aragão - que exerciam as funções de comandantes e práticos da
Marinha Mercante na Região Amazônica, conduzindo seus navios, não raras vezes, até
Iquitos, no Peru. Tive, tambem, a oportunidade de viajar em um graneleiro carregado com
60 mil toneladas de bauxita oriunda das minas do Trombetas com destino à  Barcarena
e posso garantir que há sim a necessidade dos "Práticos" no comando desses transatlânticos,
embora sejam equipados com toda a parafernália eletrônica moderna.

Continua.......................

Excelente final de semana a todos e um abraço do amigo,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe