sexta-feira, 27 de novembro de 2015

É A VIDA....

.
.

A moça estava na sala de espera de um grande aeroporto aguardando o
embarque. Como o voo estava atrasado, resolveu comprar um livro para
ajudar a matar o tempo. Além do livro comprou, também, um pacote de
bolacha. Sentou numa das cadeiras da sala VIP para descansar e ler em paz.
Logo chegou um homem e sentou-se ao seu lado. Quando ela pegou a primeira
bolacha, o homem também pegou uma. Ela ficou indignada mas não disse nada.
.
Apenas pensou:
.
-Mas que cara de pau!...
Se estivesse mau humorada lhe daria um soco no olho para que ele nunca mais
esquecesse... E, a cada bolacha que ela pegava, o homem também pegava uma.
Aquilo a deixou tão irritada que nem reagir conseguia.
.
Quando restava apenas uma bolacha, ela pensou:
.
-O que será que esse abusado vai fazer agora?!
.
Então o homem, gentilmente, dividiu a bolacha ao meio, deixando a outra metade
para ela.
.
Ah! aquilo era demais! Ela estava bufando de raiva! Pegou o livro e suas coisas e
se dirigiu ao local de embarque. Quando ela se sentou, confortavelmente, numa
poltrona, já no interior do avião, olhou dentro da bolsa pra pegar uma bala e, para
sua surpresa, o pacote de bolacha estava lá... ainda intato, fechadinho!
AH!!! QUE VERGONHA!
Só então percebeu que a errada era ela, sempre tão distraida! Ela havia esquecido
que guardara as bolachas dentro da bolsa. O homem havia dividido suas bolachas
numa boa, sem ficar indignado, nervoso ou revoltado, enquanto ela se sentiu
transtornada, pensando estar dividindo suas bolachas com ele... E ja não havia
mais tempo para se explicar ou pedir desculpas...Existem quatro coisas na vida
que não se recuperam:
- a pedra, depois de atirada;
- a palavra, depois de proferida;
- a oportunidade, depois de perdida;
- o tempo, depois de passado...
.
Bom final de semana, grande abraço.
( esta postagem foi publicada em 25.12.2009 ).
.
Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

- E DEUS CRIOU O BICHO HOMEM.. ( simples conjecturas ).



                                                                     - Imagens Internet -

A criação dos animais, diferente do que pensamos, não começou pelo homem. Tudo se deu da seguinte forma:
O primeiro animal criado foi o jumento. Deus o criou e disse:
- Em alguns dias vou criar um bicho que chamarei de " homem ". Ele aprenderá a cultivar a terra e você deverá, todo dia, trabalhar no campo arando a terra e carregando tudo o que ele precisar para seu sustento. Para este trabalho exaustivo lhe vou conceder 60 anos de vida....
O jumento pensou um pouco e disse:
- É um trabalho muito duro; uma vida de sacrifícios pra durar 60 longos anos. Proponho viver somente 20 anos e lhe devolver os outros 40.
E Deus aceitou a proposta, afinal a vida era dele...
Depois, Deus criou o cachorro e disse:
- Você ficará deitado sob o sol ou a chuva, em frente à casa do homem e latirá para chamar sua atenção, quando vir qualquer outro animal passando por perto. Pra isto vou lhe dar 20 anos de vida...
E o cachorro retrucou:
- Mas Senhor, é uma vida muito longa pra ficar latindo! Dê-me apenas 10 anos e lhe devolvo os outros 10.
E Deus aceitou também.
E veio a criação do terceiro animal. Deus criou o macaco e lhe disse:
- Você viverá divertindo as pessoas fazendo-os rir e se sentindo animados. Vou lhe conceder 20 anos de vida por isso.
O macaco respondeu:
- Mas meu Criador, é uma vida interminável fazendo macaquices. Faça o que fez com o cachorro, dê-me apenas 10 anos e lhe devolvo os outros 10.
E, na mesma linha, Deus aceitou.
Finalmente chegou o dia da criação do bicho homem. Depois de criá-lo, Deus disse:
- Você não precisará se preocupar com nada. Coma, faça sexo, durma, brinque, etc. Pra isso lhe vou conceder 20 anos de vida.
E o homem protestou dizendo:
- Não é possível. Só 20 anos? Que miséria! - e prosseguiu - Que tal se eu pegar os 40 anos que o jumento lhe devolveu, os 10 do macaco e os 10 do cachorro?! Assim, ficaria com 80 anos de vida!...
E Deus respondeu:
- Negócio fechado!
E é por isso que durante os primeiros 20 anos das nossas vidas comemos, brincamos, dormimos e fazemos muito sexo, praticamente sem fazer outra coisa; nos outros 40, trabalhamos feito jumentos pra nos sustentar e à família, nos 10 seguintes fazemos macaquices para divertir os nossos netos e nos últimos 10, ficamos na frente de casa vigiando e tomando conta da vida dos outros... rsrsrsrs

Até a próxima.


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

- TV GLOBO: IGNORÂNCIA OU MÁ FÉ ???


Castanha do Pará

Estão rolando nas redes sociais reações de paraenses a declarações imbecis, 
publicadas principalmente pela TV Globo, segundo as quais o secular e consagrado 
nome " Castanha do Pará ", deveria ser mudado para        " Castanha do Brasil ". 
Não sei em que esta emissora se baseou para proclamar tal idiotice. Em base 
científica é que não foi. Se, antes de divulgar tamanha estupidez, tivessem a 
preocupação de pesquisar, verificariam que o nome " Castanha do Pará " não tem 
origem apenas no fato de Belém ser a metrópole mais marcante e importante da 
Amazônia, econômica, social e intelectualmente. Além de ser o centro imemorial 
de comercialização da amêndoa famosa e riquíssima em nutrientes, está 
cientificamente provado que essa espécie vegetal é oriunda UNICAMENTE 
do nordeste do Pará. Ao se darem ao trabalho de pesquisar nas páginas da 
National  Geographic na Internet, descobririam o resultado de pesquisas científicas 
sobre a castanheira ali publicado, cujas principais constatações passo a transcrever,
 " ad litteram ":
" ... No entanto, resistem no presente amazônico outras evidências, às vezes tão 
antigas quanto os próprios sítios, que também podem nos revelar dados sobre o 
passado. Um exemplo: as matas de castanhais abundantes. Quem já andou em 
um castanhal sabe que esta é uma jornada quase mística: as árvores são 
imensas e ultrapassam a altura média da copa da floresta; pilhas da casca da 
fruta da castanha (os ouriços) espalham-se pelo chão e animais como as cutias 
podem ser vistos correndo de um lado para outro. Uma castanheira demora 
décadas para crescer e começar a frutificar. Muitos castanhais têm centenas de 
anos de idade. Sabemos hoje que A DISPERSÃO DESSAS ÁRVORES 
OCORREU A PARTIR DE UM CENTRO ORIGINAL NO LESTE DO PARÁ. 
Sabemos ainda que existem na natureza apenas dois animais que conseguem 
quebrar a casca do ouriço e dispersar sua castanha: a cutia e o Homo Sapiens. 
Assim, é certo que a dispersão dos castanhais se deu por meio da atividade 
humana. Ao mesmo tempo, a baixíssima variabilidade genética entre 
castanhais localizados em pontos distintos da Amazônia como se os espécimes 
tivessem sido clonados, sugere que o processo da dispersão foi recente e 
começou 2 mil anos atrás, em sincronia com o processo de florescimento 
cultural, indicado nos sítios. Ou seja, castanhais não são apenas produtos da 
natureza mas também resultado concreto da presença humana ancestral na 
Amazônia ". Tudo isto nos leva a concluir que os castanhais existentes em outros 
locais da Amazônia (Acre, Amazonas, etc.), foram plantados pelos povos 
pre-colombianos que se deslocavam ativamente pela região. Portanto, fiquem os 
paraenses tranquilos: imbecis não podem mudar os fatos!!!

Cervejas com sabores na Estação das Docas em Belém





Outra " barrigada " foi dada pela repetidora da Globo 
aqui em Salvador: publicaram uma chamada para 
determinado programa ( não me lembro qual ,) que 
anunciava o convite para o telespectador conhecer e 
provar a " novidade " que era  uma " cerveja com 
sabor de banana " rsrsrsrsr... Ora, há mais de dez 
anos na Estação das Docas, em Belém, já são 
fabricadas - na frente dos fregueses, para quem 
quiser ver - cervejas com sabor de bacuri, cupuaçu 
e outras frutas regionais.







Como bem disse o poeta Rodrigues Pinagé:
"Privilégio da gleba agressiva e frondosa que se espelha no lago adormido e 
sem ondas..."

Vale aqui o adágio: " Os cães ladram e a caravana segue "....

Um ótimo final de semana a todos.

Abraço,


Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe