sexta-feira, 30 de novembro de 2012

- VIAGEM À BELÉM - V -


Casamento de CLEMENS/LUÍS, cerimônia civil.

E chegou o grande dia! Depois de 18 anos de convivência, minha irmã CLEMENS 
e meu cunhado LUÍS, resolveram formalizar sua união! Enquanto muitos casais que 
se unem oficialmente não resistem sequer à famosa "crise dos sete anos", eles 
estarão a confirmar, perante os homens, um convívio bem maduro e definitivo. Foi,
 também e principalmente, para tal evento que antecipamos nossa ida anual à 
BELÉM. Já nem somente o CÍRIO nos atraiu desta vez... A cerimonia nupcial, 
presidida por uma juíza muito simpática, durou mais de meia hora devido à eloquência 
da magistrada ao se pronunciar especialmente para o casal, padrinhos e convidados. 
Já casados oficialmente, voltamos pra casa, pois a recepção  em que celebraríamos 
a união, se daria ainda naquela noite. Festa bonita na qual o ponto alto foi o 
reencontro com parentes e amigos, alguns só vistos anualmente (como é o caso 
do queridíssimo MUNDINHO que mora em Lyon, na França), embora eu viaje pelo 
menos três vezes por ano à BELÉM. O mês de outubro, aliás, é só comemorações: 
no dia 5 é aniversário do meu querido sobrinho CLÉBER; a partir do ano que vem 
esta comemoração será dupla, com o casamento da CLEMENS; no dia 6 é o 
aniversário da MÁRCIA, uma das minhas três filhas, a que mora em BRASÍLIA, no 
dia 11, aniversaria meu irmão CLEY e da sobrinha CLÉO (esposa do sobrinho 
ANDRÉ); no dia 18, é a minha vez de ficar mais velho; no dia 30, aniversário da 
minha sobrinha KEYLA e no dia 31, aniversário da minha prima CLÉA. Tudo isto 
sem contar  as festividades do CÍRIO DE NAZARÉ que por si só, já é a maior festa 
do paraense, prolongando-se desde a início até praticamente o fim do mês.. 
Ah! o CÍRIO! Mesmo pra mim, que não creio senão na ciência (esta sim, faz 
milagres), me rendo à grandiosidade do espetáculo que cromatiza e movimenta 
intensamente tosa a região metropolitana de BELÉM. Comovente ver a população, 
contrita e respeitosa, acompanhar as inúmeras romarias com a Imagem de Nossa 
Senhora de Nazaré em evidência, a proclamar sua soberania absoluto sobre os 
corações dos crentes. Crentes de todas as plagas, paraenses ou não, a louvar a 
"Rainha da Amazônia", como é cognominada pela população. Meu sobrinho 
ANDRÉ, fervoroso crente, já há uma dezena de anos, a pagar uma promessa em 
que, sob enorme sacrifício, distribui água gelada aos romeiros, principalmente 
àqueles que levam a corda que protege a "Berlinda" ricamente ornamentada, 
dentro da qual a imagem é conduzida. Como em outros anos, minha mulher 
SANDRA e dessa vez com seu irmão TADEU, ajudaram na distribuição da 
água, acompanhando desde a madrugada o sobrinho "promesseiro"....  


Foto depois de cumprir a missão da água...

Continua na próxima postagem....

Um ótimo final de semana a todos.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

- VIAGEM À BELÉM - IV -



Manhã seguinte, dia 4/10, depois de um repouso muito bom e proveitoso,
deveria me dirigir ao revendedor autorizado da Toyota, para mandar fazer
a revisão obrigatória de 10.000 km. no meu carro - já com agendamento feito
previamente pelo meu filho CLÓVIS, para as 9 h desse dia - condição sine
que non para assegurar a continuidade da garantia do veículo, pelo fabricante.
Saímos de casa minha mulher, o TADEU seu irmão e eu, para cumprimento
deste compromisso importante. Pretendia esperar a execução dos serviços lá
mesmo, sabendo que não demoraria muito. Não querendo evidentemente
submeter minha mulher a essa espera, deixei-a na porta do shopping
Boulevard, na Av Doca de Souza Franco, dirigindo-me, em seguida, ao
revendedor, deixando ali o carro e indo imediatamente, acompanhado pelo
amigo TADEU, a uma farmácia Big Ben localizada nas proximidades, onde
adquirimos um chip, eu da Tim e ele da Vivo, com o objetivo de gastar menos
dinheiro com nossas ligações telefônicas locais e interurbanas. Lá pelo meio
dia, o carro pronto, liguei pra minha mulher e fomos pegá-la na porta do
shopping  rumando para almoçar na casa da minha irmã CLEMENS que, mui
gentilmente, sempre nos convida para comer... Um dos motivos dessa viagem,
aliás, foi o casamento dela que aconteceu no dia 5/10 e do qual fomos
padrinhos. Ah! os almoços na casa da CLEMENS!... Emagrecer, quem há de??
Caldeirada de pescada amarela acompanhada de postas fritas, crocantes...
Em seguida uma tigela de açaí - batido especialmente para ela, já que vizinha
e amiga do fornecedor - além da sobremesa dos sonhos: compota de cupuaçu!...
Mata o velho, mata!!! Qualquer  regime em BELÉM é totalmente desmoralizado.
Alias, só pode ser "regime de engorda", pois apenas  somos chamados pra
comer! Iguarias deliciosamente irrecusáveis nos são apresentadas: pato e/ou
porco no tucupi, arroz paraense (deliciosa iguaria feita com camarão rosa,
tucupi, jambu e arroz), maniçoba, peixes dos mais deliciosos do mundo,
como pirarucu, filhote, pescada amarela, gurijuba, tambaqui, tucunaré e muitos
e muitos outros cujos nomes deixo de declinar para não desviar o foco do
presente artigo/relato. Depois do almoço precisava ir para a casa que nos
hospedava, pois havia combinado com meu filho que às 4 da tarde estaria
em casa para, entre outras coisas, entregar-lhe um motor de popa e acessórios
que resolvi dar para ele de presente, já que em Guarajuba estou pescando
(quando é o caso), em um saveiro. Espero que ele prepare logo o barco, para
que na minha próxima viagem possamos pescar juntos. Como meu filho é
pontual igual a mim, lá pelas 4 ele chegou - embora nesta época em que as
festas de fim de ano se aproximam o trabalho dele seja dobrado-. Muito bom
matar a saudade!...Ele, atualizado com as manhas das cidades, apressou-se
em retirar o pneu de socorro do meu carro, explicando que, com muita
frequência, eles são furtados quando estacionamos em lugar desprotegido.
Papo rápido, já que nos comunicamos amiúde, e ele partiu de volta para os
seus compromissos...

Continua na próxima postagem.....

Um ótimo final de semana a todos.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

- VIAGEM À BELÉM - III _


Com ANDRÉ e CLÉO na casa da CLEIDE...

Em todas as viagens de carro que fiz ao PARÁ, jamais encontrei estradas
esburacadas. A jornada é bem segura, pelo menos até passarmos pela
cidade de Capanema. Dali em diante o aumento de tráfego é substancial
exigindo do condutor maior concentração e um redobrar de cuidado,
principalmente com as ultrapassagens perigosas e imprudentes de alguns
motoristas irresponsáveis e inconsequentes. Até Castanhal, já a cerca de
sessenta quilômetros de BELÉM, a rodovia é de pista única e, em alguns
pontos, com acostamentos sofríveis. Paramos ali para novo abastecimento
e rumamos, ansiosos pela chegada, para nosso destino final: BELÉM!
A BR-316 é duplicada neste trecho, contudo, ao chegarmos à Marituba,
começamos a sentir, pela lentidão do trânsito, que encontraríamos muita
dificuldades dali em diante. Nada mais correto! Levamos pelo menos
2 horas para percorrer a distância entre Marituba e nosso destino
final, em Ananindeua, cidade industrial, na região metropolitana de BELÉM!
Ao atingirmos o Viaduto do Coqueiro (" Fodão" para os íntimos, pois a avenida
que começa nele, no sentido Cidade Nova, é repleta de motéis), podemos
finalmente respirar aliviados, pois significa que nosso destino - o Condomínio
fechado Villa Calábria - está apenas a poucos metros!!! Quanta alegria
sincera na recepção dos nossos sobrinhos ANDRÉ/CLÉO e da minha querida
irmã CLEIDE que lá  também estava para nos receber, embora muita coisa
tivesse pra fazer na administração de sua firma. A algazarra provocada por
nossa felicidade chamou a atenção dos vizinhos que logo acorreram para nos
abraçar, desejando boas vindas: os vizinhos do lado direito, meu querido irmão
CLEY e sua esposa RENEUDE e os vizinhos da frente, nossos queridos e
felizes amigos (ela está completamente grávida do primeiro filho do casal),
HAROLDO e ALICE. Os outros ainda não haviam chegado, afinal estávamos
em plena quarta-feira, dia 3/10 e todos estavam trabalhando... Meu irmão
está aposentado e, como eu, aproveitando tudo o que a vida oferece de bom -
acabara de chegar de uma viagem à Paragominas, onbde passou alguns
dias na fazenda de um amigo - pois para isso trabalhamos, ele por 37 anos e
eu por 45, merecendo cada momento de lazer que nos proporcionamos.
O casal ALICE/HAROLDO, tem horários diferenciados - ele trabalha cumprindo
plantões e ela é funcionária concursada da Prefeitura de Ananindeua,
trabalhando pelas manhãs, além de advogada -. Após esta recepção calorosa,
tomamos um banho reconfortante, trocamos presentes e ficamos "colocando
o papo em dia" - infelizmente sem a presença do ANDRÉ, que precisara sair
para uma das firmas a que presta assessoria ecológica - até a hora do jantar.
Nada de dormir cedo, pois o ritual de boas-vindas continuou,
agora  protagonizado pelos outros vizinhos e amigos, destacando-se o
casal LUCIENE/GERALDO, que já nos deu a honra e o prazer de
recebê-los em nossa casa de Guarajuba, na BAHIA. Depois dessa
verdadeira festa, recolhemo-nos aos nossos aposentos para um merecido 
repouso não sem antes de atender aos inúmeros telefonemas dos parentes
e amigos, felizes pela nossa chegada. A festa estava apenas começando...

Continua na próxima postagem.... 

A todos um excelente final de semana.
Abraço do amigo

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

- VIAGEM À BELÉM - II -

 

Como programado, saímos de CAXIAS às cinco horas do dia 3, rumo à BELÉM.
Viagem tranquila e rápida até Bacabal, ainda no MARANHÃO, onde paramos
para tomar café em um hotel que também conta com um posto de abastecimento
de combustível. Enquanto os companheiros de viagem rumavam para o
refeitório, aproveitei para abastecer o veículo. Algumas fotos, feitas pela
minha mulher - ela adora! - e lá fomos nós estrada a fora. De CAXIAS a BELÉM 
são cerca de novecentos quilômetros, o que nos permite mais condições para
diminuir a velocidade e aproveitar a viagem, desfrutando as visões deslumbrantes
que nos proporciona esta ante-sala da Região Amazônia. A diferença de
paisagem é brutal! Na parte da Região Nordeste que se estende da BAHIA até
o sul do MARANHÃO, a vegetação é ressequida e de cor marrom com raros
pontos de verde quebrando esta monotonia; os rios apresentam em seus leitos,
em lugar de água, pedras de todos os tamanhos; o vento que penetra no carro
quando abrimos as janelas, é quente e seco; o sol, sempre presente, nos queima
a pele de modo contínuo. Para evitar tudo isto, geralmente temos que fechar as
janelas, colocando uma toalha presa aos vidros para nos proteger do sol e ligar
o ar refrigerado. Aqui, no começo da Amazônia, tudo muda: vegetação verdinha:
árvores cada vez mais altas; rios sempre  com água (e muita!). -  Não poucas
vezes o rio Mearim, por exemplo, que corta a cidade de BACABAL,
transborda, desalojando os moradores de suas margens, naquela cidade.
Lembro-me também de uma vez que, voltando de BELÉM, deparei com um
local onde as águas violentas haviam levado em sua fúria parte considerável
da estrada o que me obrigou a voltar e continuar a viagem por uma rodovia
estadual, aumentando o percurso em, pelo menos, 150 km -  ; vento menos
quente e seco mercê do aumento da umidade relativa do ar e, principalmente,
ausência de animais na pista. Os raros encontrados, estão amarrados à margem
da rodovia pastando tranquilamente, sem oferecer perigo algum aos viajantes.
E as cidades e vilarejos se sucedem até que, ao passarmos por ZÉ DOCA,
começamos a encontrar buracos, muitos buracos. De todos os tamanhos,
formatos e profundidade, como para nos demonstrar que não é privilégio
baiano a existência dessas excrecências. Quantos impostos pagamos -
inclusive um cobrado no valor dos combustíveis, especialmente para a
conservação das rodovias - e não temos o devido retorno em serviços!
Esta buraqueira perigosa se estende até a divisa MA/PA, no município de
MARACAÇUMÉ (MA). Resolvidos a chegar à BELÉM já tendo almoçado
(embora os sobrinhos ANDRÉ e CLÉO tivessem assegurado que estariam nos
esperando para o almoço), paramos em um posto de boa aparência, ainda no
MARANHÃO e, após examinar e aprovar qualidade da comida exposta à maneira
self service, sentamo-nos para o comer. Em seguida, poucos quilômetros
depois, finalmente, entramos no PARÁ, ao atingirmos a metade da ponte sobre o
Rio Gurupi, fronteira PA/MA! Mais uma mudança radical, desta vez para bem
melhor: a estrada é um tapete! Impecável!!!...

Entrando no Pará... E lá vem chuva......
 
 
Continua na próxima postagem...
 
Um ótimo final de semana a todos, agradeço pelas visitas e espero que
voltem sempre.
Abraço,
 
Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

VIAGEM À BELÉM - I -




A viagem de carro que acabo de empreender à BELÉM, certamente foi a última
que fiz, utilizando tal veículo. Não tem sentido submeter-me à pressões brutais
físicas e, principalmente, psicológicas ocasionadas por tal empreendimento.
Acostumado, embora, a tais viagens, já que esta última foi a décima segunda,
não justifica tal sacrifício, levando-se em conta que acabo de tomar conhecimento
da existência de um voo direto SSA/BEL/SSA, disponibilizado por uma
companhia aérea, com a duração, em cada trecho, de apenas duas horas e meia!
Ora, além da enorme diferença de tempo, há de ser considerada a brutal
redução dos riscos enfrentados, quando a viajem é aérea. Saí de SSA às quatro
horas e trinta e cinco minutos do dia dois de outubro, acompanhado por minha
mulher SANDRA, seu irmão CARLOS TADEU e minha irmã CLEISY. Embora
sob protestos veementes de meus acompanhantes, não costumo parar nesse
tipo de viagem senão para abastecimento do veículo, servindo esta parada
obrigatória para todos atenderem às eventuais necessidades fisiológicas. Para
tal mister, costumo levar sanduiches, salgadinhos, sucos, refrigerantes e água.
Quando sentimos fome ou sede, servimo-nos em pleno andamento da viagem o
que economiza enormemente tempo. Assim é que chegamos à cidade de CAXIAS
(que injustiça com o seu ilustre filho Gonçalves Dias!...), no MARANHÃO, às
sete horas da noite, depois de percorrermos justos mil e cem quilômetros! Até
este ponto da viagem passamos por inúmeras cidades e povoados,
destacando-se: Feira de Santana, Tanquinho, Riachão do Jacuípe, Capim
Grosso, Senhor do Bonfim e Juazeiro, no estado da BAHIA; Petrolina e
Afrânio em PERNAMBUCO; Picos e Teresina no PIAUÍ e, ao atravessar
a ponte sobre o rio Parnaíba, já no Maranhão, a cidade de Timon, distante
apenas setenta km de Caxias. À guisa de orientação aos que pretendem viajar
utilizando esta rota, adianto que, infelizmente, apenas nas proximidades de
Riachão do Jacuípe, na BAHIA, é que caímos num buraco enorme que me fez
quase perder o controle da direção! Não fosse meu carro um veículo de alta
qualidade, a suspensão teria ficado na estrada, tal a brutalidade do choque!
Afora este incidente, a viagem transcorreu com muita tranquilidade, apenas
 tendo cuidado com animais na pista (principalmente caprinos e o tão famoso
jegue), nas estradas impecáveis de Pernambuco e do Piauí. Vale também
chamar atenção para os inúmeros "quebra-molas" irregulares e ilegais - muitos
sem sequer sinalização adequada - existentes principalmente nos trechos onde
cidades e/ou povoados e, no estado do Maranhão, entre as cidades de
Timon e Caxias. Hospedamo-nos, em Caxias, no HOTEL ALECRIM, sem
nenhuma estrela, embora razoavelmente confortável e com uma pequena
piscina em seu pátio interno, próxima a um serviço de bar onde se pode
saborear uma cerveja bem gelada. Rodamos - apenas eu dirigindo -
durante aproximadamente 15 horas neste primeiro dia de viagem. Fomos
para nossos aposentos descansar, depois de algumas "geladas", não sem
antes deixarmos estabelecida a hora da saída no dia seguinte, às cinco...

Continua na próxima postagem......

Desejo a todos os meus amigos e visitantes um excelente feriadão.
Um grande abraço do amigo,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe