sexta-feira, 25 de março de 2011

QUANDO UM PAPA MORRE...



Quando se verifica a morte de um Papa, realizam-se suas exéquias na Basílica de São Pedro,
durante um perríodo de 15 a 18 dias. Nessa ocasião, os Cardeais - os mais altos prelados na
hierarquia da Igreja Católica Romana - veem de todo o mundo, para uma reunião muito especial.
Nela são decididos, depois de muita discussão e votos secretos, quem terá o privilégio de ser o
sucessor de Pedro, considerado o primeiro Papa pelos Católicos. O Anel do Pescador, símbolo
da autoridade do homem que comanda por volta de um bilhão de fiéis que lhe prestarão obediência,
é, habitualmente de ouro, tendo incrustada  uma pedra preciosa. A tradição do Anel do Pescador
tem muitos séculos, embora não se saiba qual foi o primeiro Papa a usá-lo. Para garantir o absoluto
sigilo do conclave, as portas do local da reunião são entaipadas e, qualquer comunicação com
o exterior processa-se através de placas giratórias (aquelas mesmas de alguns moteis),
cuidadosamente vigiadas, apenas para recepção de alimentos e outras necessidades prementes,
porem sem que os intervenientes se possam ver. Para a contagem do boletim de votos, são eleitos
pelos Cardeais 3 escrutinadores que mudam a cada escrutinio. A votação só é concluida quando
outorga a um dos candidatos a maioria de dois terços mais um, dos votos. Quando esse requisito
não é satisfeito, os boletins são misturados com palha molhada e queimados, o que produz uma
fumaça negra, que indica um resultado negativo. Finalmente, as vezes depois de muitos dias, um
dos Cardeais obtem a maioria necessária. Os boletins são então misturados com palha seca
e queimados, produzindo uma fumaça branca.
Ouve-se, então, o clamor da multidão na Praça de São Pedro :
"Fumaça branca! Viva o Papa!!!".

Continua na próxima postagem...

Um ótimo final de semana, abraços.

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 18 de março de 2011

COSTUMES NUPCIAIS - FINAL -



Os banquetes sempre sempre foram um meio de consolidar o novo parentesco. Nos casamentos
tradicionais malaios, durante a cerimonia, os noivos alimentam-se mutuamente com arroz cru.
Nos casamentos na Nova Guiné, os noivos consomem tudo que conseguirem de um porco morto
para tal fim. Já algumas tribos bosquimanas da Africa do Sul, costumam obrigar os nubentes a
consumir uma espécie de antílope caçado e abatido previamente pelo noivo, até restarem somente
os ossos. Mas, bizarro mesmo, é o costume da tribo Todras, de Nilgiris, um distrito de Madrasta,
no estado indiano de Tamil Nadu no sul da India, ( produtor de um dos melhores chás do planeta ).
Quando um jovem se casa, todos os seus irmãos adquirem tambem os direitos conjugais sobre
a noiva, uma vez que se considera que ela se casa com toda a família. Se a noiva engravidar, é
realizada uma cerimonia denominada pursutpime onde é determinada a paternidade. Depois que
os pais potenciais, ou seja, os irmãos, discutem, o escolhido presenteia a noiva debaixo de uma
árvore determinada, com um arco e uma seta, cerimonia essa presidida por um ancião da tribo.
Dai em diante, todos os filhos que nascerem, serão considerados pertencentes ao pai escolhido
no pursutpime, mesmo se nascerem após a sua morte! Essa condição vigora até que haja um
novo casamento da viúva.

Um excelente final de semana a todos, espero que tenham gostado dos textos.
Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 11 de março de 2011

COSTUMES NUPCIAIS II.



Muitos costumes ainda hoje observados, tiveram origem em antigas tradições:
- O veu nupcial foi introduzido pelos antigos gregos e romanos com o fim de proteger e resguardar
a noiva do mau olhado de um possível pretendente ciumento.
- A aliança data do tempo dos antigos egípcios. Nesse tempo ela era colocada no terceiro dedo
da mão da noiva, que segundo se pensava, tinha uma veia que conduzia diretamenmte ao coração.
Feita de ouro, o metal mais resistente, de onde deriva a superstição de que, se quebrada, significa
desgraça próxima.
- Reunir as peças que compõem o enxoval provem da Europa Central. Na França o marido recebia
um pacote com objetos valiosos e as roupas de baixo deviam ser confeccionadas pela própria noiva.
- Jogar arroz nos noivos tem origem num velho ritual  grego de fertilidade e desejo de prosperidade
aos noivos. Nas ilhas Sulawesi, Indonésia, acreditam que se não subornarem a alma do noivo com
arroz, ela voará apos a cerimonia e jamais regressará.
- O costume ocidental de distribuir fatias do bolo nupcial aos convidados, procede do hábito romano
de repartir o pão, distribuir entre os presentes sobre a cabeça da noiva, como garantia de sucesso
material.
- Numa tribo nômade da India Central, os Lambodes, o casamento é um acontecimento triste. No
dia seguinte à cerimonia, a noiva senta sobre um boi castrado e chora a sua mágoa por deixar o pai,
a mãe e o restante da família.

Continua semana que vem...

OBS: Agradeço penhoradamente ao caro leitor que me chamou a atenção para o engano na
ilustração da postagem a respeito de GIL EANES. Já corrigi o erro e espero continuar a merecer
suas gentis visitas e comentários. Apenas gostaria de saber a quem agradecer uma vez que  no inicio
do comentário está escrito " Fernan d'Oliueira"e ao final " Mario ".
Mesmo assim, muito obrigado!

Um ótimo final de semana. Abraço,

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe

sexta-feira, 4 de março de 2011

COSTUMES NUPCIAIS - I.



- Quando duas mulheres das tribos Choroti e Chaco, no Paraguai, querem casar com o mesmo
homem, lutam entre si, calçando luvas de pele de anta. Quem vencer casa.
- Se voce for um homem habitante das ilhas Trobriand, perto de Papua, prepare-se para ser mordido
pela primeira mulher que gostar de voce. É desse modo que ela se declara.
- Hábito comum nos paises frios como Holanda, Suiça, Escócia e País de Gales, era a permissão
para que os casais se deitassem na mesma cama, desde que vestidos e envoltos em lençois separados.
- Grande parte das noivas na Escócia do século XIX - na verdade 90% delas - casavam-se
grávidas, contrariando todas as convenções da época.
- Ja nas Ilhas Salomão, no Pacífico, toda jovem prometida a um chefe ou dignatário, era mantida
numa jaula, por vezes duarante anos, vigiada de perto por seu pai, até o dia do casamento.
- Na ilha alemã de Borkum, situada na foz do rio Ems, quem cortejasse uma jovem e demorasse
muito a casar, era submetido à prova do fumo e da água: sua casa era rodeada pelos jovens da
aldeia que obstruiam a chaminé e enchiam-na de fumaça. Pouco depois, entravam pelo sótão e
perguntavam se o interessado na moça iria  mesmo casar. Se a resposta fosse sim, toda a aldeia
iniciava os festejos; caso a resposta fosse negativa , ele era arrastado atraves de um lago, por tres
vezes, amarrado a uma corda.

Continua na próxima postagem.

Comunico a todos os amigos leitores e visitantes, com muito pesar, que o meu querido amigo e
conterrâneo Renato Guerreiro, a quem me referi na postagem sob o título  " Agradecimento e
Súplica ", do dia 22.10.2010, perdeu, no inicio desta semana, a luta tenaz que manteve contra
uma implacável doença, durante os últimos anos. Que descanse em paz!...

A todos um excelente final de semana e aproveitem bastante de forma sadia o CARNAVAL!

Abraço.

Clóvis de Guarajuba
ONG Ande & Limpe